Aposentadoria Especial

Aposentadoria do Caminhoneiro

A profissão de caminhoneiro é muito comum no nosso país, de acordo com a CNT são 2 milhões de caminhoneiros no Brasil, com grande parte deles sendo autônomos, por isso nesse conteúdo vamos tratar da aposentadoria do caminhoneiro.

Os caminhoneiros executam trabalhos muitas vezes expostos a agentes nocivos a sua saúde e a sua segurança, e esse trabalho é fundamental, pois o Brasil transporta a maioria dos seus bens por rodovias, e para que as cidades sejam abastecidas é necessário que esse trabalho seja bem executado.

Vamos destacar aqui caminhoneiros com categoria E, que transportam produtos como agentes inflamáveis, produtos químicos e similares, além de dirigem em períodos noturnos e por passarem muitos dias consecutivos em estradas.

O transporte de agentes nocivos à saúde da direito do caminhoneiro a contagem de tempo especial, vamos detalhar a seguir.

Aposentadoria do Caminhoneiro

Quem tem direito à aposentadoria do caminhoneiro com tempo especial?

O caminhoneiro pode sim se aposentar com contagem de tempo especial como mencionado anteriormente, isso por que se encaixa nas condições de insalubridade referentes ao benefício, que mudaram em 28/04/1995. Nessa data o benefício já era aplicado ao motorista com categoria C, naquele período todos os veículos pesados estavam dentro da categoria, e caracterizava insalubridade.

A exposição era de muitas formas, desde temperaturas altas, ruído e o contato com os agentes nocivos, porém quando os veículos passaram a serem mais modernos, as temperaturas e ruídos já não foram mais consideradas insalubres, pois já não existem na mesma escala.

Por isso, a partir do dia 28/04/1995 só é contabilizado como insalubre motorista com categoria E, que trabalha exposto, por longas distâncias, e a agente altamente perigoso e inflamável.

Apenas para informações, outros motoristas que também estão expostos a agente nocivos podem requerer a contagem do tempo especial, que será avaliado tecnicamente, como são os casos de caminhão de lixo que podem estar expostos aos agentes nocivos, ou motoristas de caminhões especiais.

Como comprovar o tempo especial para aposentadoria do caminhoneiro?

A comprovação da aposentadoria especial passa por um momento mais delicado e complexo, uma vez que exige documentações que comprovem o tempo de contribuição especial tanto para se aposentar, quanto para converter em tempo de contribuição, pois é necessário comprovar a atividade que gera prejuízo à saúde e/ou a integridade física do trabalhador, conforme tratado no artigo o que é aposentadoria especial. 

Até a edição da Lei 9032/95 existia uma presunção absoluta de exposição aos agentes nocivos, havia uma tabela enquadrando atividades profissionais, mediante a categorização dos profissionais conforme decreto 53.831/64 e 83.080/79 ambos já prescritos, dessa forma o trabalhador enquadrado nas atividades relacionadas, já tinha a comprovação para o pedido, e ainda outras atividades poderiam ser consideradas mediante a interpretação. 

Como garantir a contagem de Tempo especial para aposentadoria do caminhoneiro

A Avaliação técnica resulta na aquisição dos documentos LTCAT e PPP mencionados.

O LTCAT deve ser feito com base em uma avaliação de profissional habilitado, especializado em segurança do trabalho. A partir dele, serão extraídas as informações para o documento exigido pelo INSS, o PPP. O ideal é que esses documentos sejam feitos na época da atividade exercida.

Diferença da aposentadoria do Caminhoneiro Autônomo e caminhoneiro registrado

O caminhoneiro que trabalha para empresa ou cooperativa, receberá esse documento que será providenciado pela empresa, em caso de fechamento da empresa, poderão utilizar outros documentos  que podem comprovar a condição do trabalho.

Já a aposentadoria do caminhoneiro autônomo, é mais complexo, afinal é ele mesmo o responsável por reunir a documentação LTCAT e PPP, que deverá procurar por um médico do trabalho, ou um engenheiro do trabalho para avaliar as condições de trabalho e o caminhão que trabalha isso terá custos à parte, mas com toda certeza é compensatório para alcançar a aposentadoria.

Também, para aqueles profissionais que querem se aposentar, mas não pretendem parar de trabalhar, é possível converter o tempo insalubre em tempo comum.

O que é o LTCAT

O LTCAT é um laudo que deve ser emitido por um engenheiro de segurança do trabalho devidamente inscrito no CREA ou médico do trabalho devidamente inscrito no CRM conforme a lei no 8.213, de 24 de julho de 1991 e a instrução normativa INSS/PRES nº 45, de 06 de agosto de 2010, e o seu principal objetivo é quantificar os agentes de risco existentes no ambiente de trabalho, de natureza física, química, biológica ou ergonômica. Também é apresentado neste laudo a informação sobre existência de tecnologia de proteção coletiva ou individual que diminua a intensidade do efeito da exposição ao agente agressivo a limites de tolerância aceitável, e na ausência da tecnologia, ser documentado o pedido pela adoção da tecnologia por parte do empregador. O Documento deve conter informações dos seguintes aspectos:

 I – se individual ou coletivo; 

II – identificação da empresa; 

III – identificação do setor e da função; 

IV – descrição da atividade; 

V – identificação de agente nocivo capaz de causar dano à saúde e integridade física, arrolado na Legislação Previdenciária; 

VI – localização das possíveis fontes geradoras; 

VII – via e periodicidade de exposição ao agente nocivo; 

VIII – metodologia e procedimentos de avaliação do agente nocivo; 

IX – descrição das medidas de controle existentes; 

X – conclusão do LTCAT; 

XI – assinatura do médico do trabalho ou engenheiro de segurança; e 

XII – data da realização da avaliação ambiental. 

Há também a possibilidade de desenvolver o documento se baseando em outros programas de segurança do trabalho que são estabelecidos pelo ministério do trabalho, como PPRA, PCMSO, PGR, e o PCMAT E o documento é uma obrigação da empresa, que deve mantê-lo atualizado e disponível para comprovação efetiva da exposição a agentes nocivos quando solicitados, um dos documentos o qual o LTCAT pode ser utilizado na comprovação da condição é o PPP.

O que é o PPP

Após a Lei 9032/95 mudou a forma de como é tratado a atividade especial, a comprovação passa a ser documentada através de um formulário conhecido como PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário), é um documento que contém o histórico laboral do trabalhador, e o objetivo é adequar uma contagem de tempo de contribuição diferenciada para a finalidade de aposentadoria. O PPP contém as informações básicas, como os dados administrativos da empresa e do empregado, os registros ambientais, os resultados das monitorações biológicas e as informações sobre os responsáveis pelos dados para a finalidade de aposentadoria.

O PPP serve como comprovação do período de contribuição em condição especial, através dessa comprovação é possível pedir aposentadoria especial, ou usar esse tempo de contribuição especial para converter em tempo de contribuição e diminuir o tempo restante para aposentar-se, da seguinte maneira.

Os trabalhadores que exercem atividade nos mesmos parâmetros, mas não o fazem por tempo suficiente para ter direito à aposentadoria especial, têm direito que esse período seja convertido em tempo de trabalho exercido em atividade comum, de acordo com a seguinte tabela: 

ATIVIDADE A CONVERTERPARA 15 ANOSPARA 20 ANOSPARA 25 ANOSPARA 30 ANOS (MULHER)PARA 35 ANOS (HOMEM)
DE 15 ANOS11,331,6722,33
DE 20 ANOS0,7511,251,51,75
DE 25 ANOS0,60,811,21,4

Essa tabela contém os índices a serem utilizados na conversão do tempo. A sua dinâmica consiste em multiplicar o tempo de contribuição exercido em condições especiais pelo índice correspondente ao tempo necessário para o benefício pretendido.

Por exemplo, suponha que um trabalhador deseja se aposentar por tempo de contribuição, cujo tempo exigido seja 35 anos. Contudo, por um período de 7 anos ele exerceu atividade especial. Essa atividade se tivesse sido exercida continuamente, daria o direito a uma aposentadoria especial de 25 anos, logo, o trabalhador tem direito à conversão desse tempo.

Dessa forma, o cálculo do tempo de contribuição referente a esse período se daria da seguinte forma: 

7 (tempo de atividade especial) x 1,40 (índice correspondente aos benefícios envolvidos) = 9,8 

Assim, em razão de ter trabalhado 7 anos em condições especiais, o segurado teria direito ao cômputo de 9,8 anos a serem considerados num benefício de aposentadoria por tempo de contribuição comum. 

O PPP, antes de poder ser considerado para a aposentadoria, é analisado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Além dos aspectos formais, será verificado o período a ser avaliado e a condição ao qual o empregado era exposto, se referente à atividade ou à agente nocivo específico.

E se o assunto for sobre revisão da vida toda realize o CADASTRO AQUI e descubra se você possui o direito aos benefícios.

Para mais informações entre em contato com a Montenegro Morales.

e-mail: atendimento@montenegromorales.com.br, Whatsapp 11 98193-8025 ou telefone 11 3361-7401

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.